sábado, 30 de abril de 2011

Vinte e nove de abril

Me perdoem as palavras e as rimas,
as coisas que sempre me abrigam quando estou aflito.
É que hoje, encontrei poesia sem folhas e palavras,
encontrei no silêncio a explicação pro que sinto.

Nenhum comentário: