segunda-feira, 4 de abril de 2011

Dois de abril

Deixa eu repousar meu olhos sobre o seu mar de silêncio
dentro da tua boca gritar sobre a vida,
num sopro te calar, te amar
te ser como um pássaro que voa e volta até mim.
Segredos são guardados,
alguns amores do passado 
não têm fim.

Nenhum comentário: